Mocotó, na Vila Maria

Chega mais uma vez dezembro e logo nasce a dúvida que não quer nos calar: qual vai ser a crítica de Natal deste ano? Em 2014 visitamos um tradicional restaurante português pra comer o que existe de mais comum nas festas de fim de ano brasileira, o bacalhau e seus derivados. O problema disso era exatamente este ano. Como bater o que existe de mais tradicional? Ir em outro português? Exatamente pra não cair nessa mesma zona de conforto desta vez ousamos um pouco, e escolhemos um restaurante famoso por seus pratos típicos brasileiros.

Ele é um pouco longe de tudo? Sem dúvida, mas não existe dúvida também de que o esforço vale a pena, e que a cada garfada você sente um prazer em ter atravessado quase que a cidade inteira por uma disputada mesa. Sem mais delongas, vamos dar início ao nosso Natal brasileiro com o Mocotó.

chapeu-galeria

Mocotó, tradicional e famoso restaurante da culinária brasileira, mais especificamente a nordestina. Sabemos que a comida de lá não tem muito a ver com o Natal mas pensamos em ir por seu uma gastronomia que fez a base da comida brasileira. Afinal quem não gosta de uma boa comida nordestina e principalmente comida bem feita de verdade.

Chegamos em um horário comum para todos e por isso tinham algumas pessoas na nossa frente. Como não estávamos com pressa ficamos no bar esperando a nossa mesa, pedi a caipirinha do dia que era abacaxi com uva, ela era feita perfeitamente, doce e forte ao mesmo tempo, uma ótima companhia. Como estávamos com fome, ainda no balcão pedimos duas entrada para começar, o quadradinho de tapioca e o bolinho de abóbora com carne seca, o segunda era a sugestão do dia. A nossa espera foi curta, cerca de 15 minutos depois já sentamos.

Assim que sentamos as entradas chegaram, elas são bem servidas e na média de preço boa. Comecei então pelo quadradinho, que era feito com queijo coalho e acompanha uma geleia de pimenta, ele é uma delícia, super saboroso e nem um pouco borrachudo, realmente muito bom. Mas o bolinho é coisa de outro mundo, a carne seca não tem nada de carne seca e é bem molhadinha, a massa é crocante e tem um sabor muito bom, junto com ele vinha um vinagrete da casa que com todas certeza é o melhor vinagrete que já comi na minha vida, ele ainda deixava o bolinho ainda mais saboroso.

Quando estava olhando o cardápio pela primeira vez fiquei na dúvida entre todos eles, que tinham descrições realmente muito boas, mas como queria algo bem tradicional não tive dúvida para escolher a Carne de Sol assada. Com esse prato vinha alho assado, pimenta biquinho e chips de mandioca, a carne era feita na manteiga de garrafa e particularmente foi a parte que mais me decepcionou, a manteiga simplesmente sumiu e a carne fica excessivamente seca, o que não é legal. A combinação do prato é bem legal, o alho deixa a carne um pouco mais saborosa, junto com a pimenta que também fica legal. O chips de mandioca é viciante de tão bom, não sei como eles fazem mas ele já vem temperado e não com gosto de nada como alguns chips.

Provei e comi também boa parte do prato do Rapha que estava simplesmente sensacional, ele pediu o escondidinho de carne seca com requeijão e gratinado com queijo coalho. É quase a receita da comida perfeita, mais uma vez posso dizer que é o melhor escondidinho que já comi, o purê é suave e não fica muito massudo. O recheio é proporcional na quantidade de carne e requeijão, não sei explicar o porque de um prato tão bom, talvez seja fruto de um bom treinamento dos funcionários. Fomos atendidos por pelo menos 5 garçons e todos eles sem exceção fizeram um papel exemplar na hora de servir.

Mais um ano se passou. Parece que foi ontem que visitamos o Tasca do Arouche pra comer aquela sensacional Siricaia de sobremesa durante o Natal de 2014. Mas não, já foram outros 12 meses e mais um período de festas pra gente fechar o ano com chave de ouro. Tivemos muitas dúvidas em qual restaurante escolher desta vez. Um português pelo segundo ano seguido poderia parecer – e seria – falta de criatividade nossa, e optar pelas comuns cozinhas italiana, francesa e espanhola, embora com bastante sabor, também não parecia muito oportuno para a ocasião.

Escolhemos o Mocotó. Por qual razão não escolheríamos? Comida brasileira pode até não ser tão popular durante o Natal pra muita gente, mas é a nossa comida. De que adianta visitar inúmeros restaurantes de cozinha estrangeira se em uma oportunidade como essa não vamos prestigiar o que temos de melhor, não é mesmo? Essa razão nos levou até a Vila Maria, e mesmo com a aparente distância que pode afastar os mais impacientes, o restaurante faz valer o esforço.

E não é por ser longe que não tem fila. Ficamos uns bons 20 minutos esperando até conseguir uma mesa. Sobre a decoração? Uma releitura do Nordeste brasileiro. Cores em tom pastel, mesas simples e até mesmo alguns mesões coletivos, além de ventiladores espalhados pelas paredes. Ar condicionado? Talvez no primo rico na esquina.

Mesmo com a comida boa – que eu vou logo comentar – o que vale muito a pena é a garrafa de vidro de tubaína, tipo aquela que você tomava quando era pequeno (eu pelo menos tomava). Sobre a comida, começamos com duas entradas: o Bolinho de Abóbora com Carne-seca (R$ 29,90) e os Dadinhos de Tapioca (R$ 20,90). O primeiro é acompanhado de um maravilhoso vinagrete da casa, que dá maior suculência à fritura. E mesmo sendo de abóbora, existe um ótimo equilíbrio entre os ingredientes. Os quadradinhos também são gostosos, especialmente pra quem gosta de tapioca, e trazem consigo uma geleia de pimenta na medida certa.

Hora do prato principal. O que pedir? Aqui vale dizer. Embora tão tradicional, o Mocotó é muito mais um bar que um restaurante. Você vai até lá e come, claro, mas os pratos não são tão bem pensados como em uma casa com mais cara de restaurante. Acabei optando pelo Escondidinho de Carne-seca (R$ 31,90), feito com purê de mandioca, carne-seca desfiada e requeijão cremoso, além do queijo coalho por cima. E meu Deus. Que delícia de prato. Sem dúvida vale o dinheiro, vale a distância percorrida e o tempo esperado. O requeijão faz uma memorável diferença no prato, que você come sem piscar.

E sem piscar também, como a gente disse, acabou o ano. Então aproveite pra descansar, curtir as festas, trocar presentes e aproveitar o merecido descanso. Sábado tem coluna, mas vamos fazer uma pausa curta até 4 de janeiro. Até lá pra todo mundo, e Feliz Natal!


Mocotó – Rua Nossa Senhora do Lorêto, 1100 – Vila Maria; Contato: 2951-3056; Transporte: ônibus, táxi; Pagamento: débito, crédito, vr; Faixa de preços: $$.
Anúncios

Gostou? Deixa aqui sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s