Red Ale, da Baden Baden

coluna-temumaale-2015

Reinheitsgebot” (lê-se “raiainzguebót”, eu acho): claramente alemão, certo? Certo. Muitos de vocês já leram ou ouviram falar dessa palavra, que é importantíssima para o mundo da cerveja. Conhecida como a Lei da Pureza da cerveja, a “Rai” (vou dar um apelido para não ter que escrever o nome inteiro) foi criada pelo Rei Guilherme IV, o Duque da Baviera, em 1516, obrigando as cervejarias a usar apenas água, malte e lúpulo em suas criações. Muitos dizem que o rei, amante da cerveja, queria apenas impedir que alguns loucos da época (que colocavam ingredientes bizarros na cerveja, como fuligem) estragassem aquela bebida tão importante para a baviera e, principalmente, para a corte. Porém, também é considerado que o duque tomou essa decisão para monopolizar o mercado, já que ele possuía a melhor cervejaria da baviera e via que alguns produtores menores começavam a tomar espaço no mercado.

De qualquer maneira, a “Rai” ainda é importantíssima para o mundo cervejeiro pois, mesmo que na época não se levasse em consideração a levedura, manteve uma padrão básico de cerveja que não era ruim e que fazia a bebida melhorar por si própria, e não por uma invenção doida.

Tudo bem, alguns de vocês nunca ouviram falar da “Rai”, mas e para os que já sabem o que é, o quê nesse texto vale a pena? Escolhi falar disso pela cerveja da semana, que pela primeira vez será uma crítica “ruim”. Ela, por exemplo, não segue nem de perto a “Rai”, mas, recentemente, monopolizada, indiretamente, pelo Rei Guilherme IV de hoje em dia: a Ambev.

Sim! Estou falando da conhecida Baden Baden, mais específicamente a Red Ale a primeira cerveja da fábrica.

O que aconteceu com essa cervejaria? Bom, vale começar dizendo que a Baden Baden, de Campos do Jordão, foi a precursora das cervejarias artesanais no Brasil. Durante muitos anos (ela foi criada em 1999), não se falava em cerveja artesanal sem se falar na Baden (2x). A cervejaria ganhou diversos prêmios de peso no mundo todo e com certeza era uma boa cerveja, ainda mais com a falta de experiência do povo brasileiro que bebia cerveja. Porém, com a popularização das cervejas artenasais e caseiras no Brasil grandes empresas como a Ambev e a Schin Cariol (hoje em dia Brasil Kirin) começaram a tirar dessas micro-cervejarias o poder de mercado, comprando-as e intensificando a produção. Só que raramente se consegue quantidade e qualidade ao mesmo tempo, e como o foco das grandes empresas é quantidade, claro que se perdeu a qualidade.

Isso resultou na Baden Baden Red Ale (da Brasil Kirin) que eu tomei esses dias. O que eu esperava de uma red ale: tons marcantes do lúpulo, a começar pelo amargor, aromas de malte torrado, sabor do malte torrado combinado perfeitamente com o caramelo e uma refrescância boa. Eu sei que não são todas as Red Ales que são assim, mas o que eu vi na Baden Baden foi totalmente diferente.

A Red Ale da Baden (2x) foi, para mim, uma cerveja relativamente licorosa (melada), doce, com um teor alcoólico um pouco acima do agradável para esse tipo de cerveja e com sabores confusos, com o frutado diferente (meio sintético), e não o delicioso frutado do lúpulo. Além disso, o malte caramelo se sobrepôs ao torrado, perdendo o equilíbrio. Nas impressões de copo, era uma cerveja muito escura, opaca, diferente da cor Âmbar característica das Red Ales.

Não é uma cerveja ruim, mas, pelo menos para mim, passou bem longe de uma Red Ale como as inglesas Old Speckled Hen e Fuller´s London Pride.

Em um jantar, concordo com o site e digo que uma carne de caça, como um javali ficaria interessante com a cerveja. Mas tome cuidado com os acompanhamentos da carne, se tiver algum molho mais doce, vai parecer que você passou direto para a sobremesa.

A garrafa de 600ml da Baden Baden Red Ale normalmente sai por uma média de R$15,00, e é uma cerveja que vale a pena pela experiência interessante para comparação de Ales e para definir se você é mais adepto das “doces” ou das “salgadas”.


Tem uma Ale na minha Weiss é escrita por Otavio Corsini, colunista do Comida pra Casal, que fala sobre aquilo que todo mundo gosta: cerveja. Seja importada, nacional, artesanal ou daquelas que você acha no supermercado mesmo.

Anúncios

Gostou? Deixa aqui sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s