Myk, no Jardim Paulista

Pra sermos honestos com você, o verdadeiro motivo deste especial era experimentar tudo que fosse novo e diferente. E na hora de selecionar quais países participariam, a Grécia era uma certeza, afinal, a cozinha local é conhecida pelos ingredientes frescos e nomes impossíveis de pronunciar. Por isso escolhemos uma das poucas opções em São Paulo, o refinado Myk, localizado no coração do Jardim Paulista. Se você é daqueles que gosta de frutos do mar, grãos em geral e bastante azeite, bem como dita a gastronomia mediterrânea, fique tranquilo, aqui é a sua casa. E como não dá pra não comentar, já viu a cor desses camarões da foto?

chapeu-galeria

Apesar de ser uma cultura mais conhecida do que a polonesa, os pratos gregos ainda eram uma descoberta para mim. Primeiro pela nossa gafe de quase errar o restaurante: na mesma rua existem duas casas gregas, e por muito pouco não acabando indo no outro. O Myk tem uma cara de restaurante mais tradicional, e as vela nas mesas então dão um clima mais romântico.

A comida grega tem como base a cozinha mediterrânea, com bastante frutos do mar e peixe, mas ao mesmo tempo apresenta uma forte influência do oriente médio, com o muito uso de iogurte e carne de cordeiro. Não íamos pedir entrada, mas enquanto estávamos esperando uma mesa, pediram perto da gente uma porção de camarões, e claro, não resistimos. A porção custava R $19, achei que iam vir três camarões, mas me enganei: ela é grande, assim como os camarões, bem fritos e combinam muito com o molho de iogurte.

Depois de uma boa entrada, escolhi um prato com peixe para continuar nas comidas marinhas. Estava na dúvida entre alguns opções, mas acabei escolhendo o Bacalhau assado ao limão siciliano (R$ 63). Não é meu peixe favorito, mas a combinação me intrigou. O peixe, assado, era acompanhado de farinha de pão sobre batatas e cebola roxa. O bacalhau era uma coisa fora do comum, tinha um sabor INCRÍVEL, acho que nunca comi um bacalhau tão bom na vida, ele não tinha aquele gosto forte de sal que fica na maioria das vezes.

E parece que os acompanhamentos não podiam ser mais perfeitos, apesar da batata estar um pouco sem sal, isso não alterou muito o gosto. A cebola também era muito boa também. Agora o que eu realmente gostei foi a farofa de pão, nunca tinha comido e achei que seria algo seco e sem gosto, e foi muito o contrário disso! Ela tinha muito sabor e deixava o peixe bem crocante também. O lugar é o ideal para um jantar romântico e diferente, para a sair da rotina mesmo porque a comida é boa e são pratos diferentes de tudo que a maior das pessoas estão acostumada.

Primeiro de tudo, preciso declarar minha decepção geral para com a culinária grega: ninguém quebrou prato algum durante minha visita ao restaurante. Tudo bem que estamos falando de pratos chiques, daqueles que dariam problemas pra quem quebrasse. Mas eu imaginava Zorba dançando no meio do salão e tacando os pratos no chão. Feito o desabafo, a primeira dica: prepara a carteira. A comida, como de costume no bairro, é salgada, e não no sentido do sabor.

E ainda assim, ficamos uns bons 20 minutos aguardando por uma mesa. E com isso eu levanto a pergunta: onde está a crise? Realidade de gente rica à parte, o preço vai ser o principal vilão dessa história, posso adiantar sem spoilers. Sorte que a comida é bem gostosa. A nossa tomada de decisão foi um pouco lenta, tamanho o tamanho do cardápio. Ele é extenso demais, e confunde quem não conhece muito da culinária local. Sorte que os pratos mais tradicionais estão restritos a três opções, sendo o resto uma porção de combinações mais presentes no dia a dia dos clientes.

Nossa entrada, como não poderia deixar de ser, foi a porção de Camarões Crocantes (R$ 19), sem dúvida o melhor custo benefício da noite. E como a gente disse na foto que postamos no começo da semana, não dava pra definir se o melhor era o cheiro ou o gosto. Ele ainda é acompanhado de um delicado molho de iogurte, e posso dizer: nada de camarão pequeno aqui.

Chegada a hora da decisão mais importante da noite, minha escolha havia sido facilitada pelo próprio restaurante: três opções. Afinal, a intenção desse especial é trazer o que existe de mais tradicional e próximo das cozinhas exploradas. Com ajuda do garçom fui sem muitas dúvidas na Papoutsakia (R$ 49), descrito no menu como uma berinjela com batata, ragu de cordeiro e bechamel. Sinceramente tive um pouco de dificuldade pra imaginar o prato, até chegar à mesa e perceber o quão literal era a descrição: estamos falando de uma berinjela enorme, cortada ao meio e usada como recipiente pra colocar todos os ingredientes da receita.

E qual minha reação nisso tudo? Não poderia ter feito a escolher melhor. Embora os dois primeiros ingredientes sejam a berinjela e a batata, quem realmente aparece aqui é o ragu de cordeiro. Ele orquestra todo o prato, e faz da combinação com o saboroso bechamel a razão de você querer comer sem parar. De tão bom, até a salada de agrião perde importância na história, e olha que a salada é conhecida por sua amargura sem igual.


Myk – Rua Peixoto Gomide, 1972 – Jardim Paulista; Contato: 2548-5391; Transporte: ônibus, táxi; Pagamento: débito, crédito; Faixa de preços: $$.
Anúncios

Gostou? Deixa aqui sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s