A Alemanha em São Paulo

140707-alemanha-01

casalnacopa-bar-01

Sabe aquele momento quando você coloca um bolo no forno e ele começa a cheirar bem? É exatamente esse o sentimento na Copa. Estamos sentindo o cheiro do hexa batendo na nossa porta, mas pra isso falta ainda um jogo. E que jogo, já que o principal jogador da seleção foi pro espaço. E o adversário. Bem, digamos que vai ser difícil. Somando todos esses pontos, amanhã temos pela frente a Alemanha, poderosa não apenas no futebol, mas também na cozinha. Muita coisa que temos o hábito de comer vieram daquela região, e como não poderia deixar de ser, o penúltimo capítulo do Casal na Copa mostra um pouco da culinária local aqui em São Paulo. Então é hora de continuar lendo, pra saber quão boa é a comida germânica do Braugarten.

 barra-post-ele

Ah, a Alemanha. Um país rico por sua culinária, mas que boa parte das pessoas vira o rosto quando ouve um nome difícil, falando que a comida não é boa. É um sentimento que deve ter batido, por exemplo, quando fomos na Leckerhaus experimentar os ótimos Walnusstorte e Apfelstrudel. E isso era com doce. Imagina agora indo de frente com outros nomes ainda mais misteriosos pra boa parte das pessoas, como o Eisbein e rösti com presunto cru. Esse foi o prato escolhido no Braugarten, rede de restaurantes espalhados pela cidade, que guarda o melhor da culinária alemã.

E por se tratar de uma cadeia de restaurantes, você pode imaginar o local como um fast-food germânico, com menus enormes atrás de um balcão acompanhado por filas enormes. Bem, não é absolutamente nada disso. O ambiente lembra muito uma tradicional taberna, com paredes cobertas de madeiras, muitos adornos espalhados pelos quatro cantos do local e gente simpática pra te ajudar. E vale a pena começar por esse ponto. Os garçons foram tão solícitos que no momento onde a Na foi tirar as fotos pra essa crítica, ele foi ajudar a montar um cenário legal pro enquadramento. Primeira vez que vi isso, e achei bem legal dele se preocupar com isso.

Como disse, fomos do bom e velho Eisbein, que pra quem não conhece é o famoso joelho de porco. E antes que você vire a cara já te aviso, não faça isso. Você não vai se arrepender. Você gosta de costelinha, daquelas que você come com a mão e um copo de cerveja? Então, é basicamente a mesma coisa. Carne de porco no melhor estilo possível. A carne é marinada com especiarias e defumada naturalmente, e no final, ainda dá pra escolher como seu joelho é preparado: grelhado, frito ou cozido. Como gosta de lembrar a Na, tudo frito é melhor, e essa foi nossa escolha.

Pra acompanhar pedimos o tal rösti com presunto cru, que é uma batata assada enrolada por uma pequena lamina do presunto. Até agora falei bastante sobre o local, sobre o prato, sobre os ingredientes e tudo mais. Mas vamos para o mais importante: qual o sabor disso? Se tivesse que definir por uma escala de zero a dez, possivelmente escolheria algo do tipo ‘aleluia irmãos, obrigado pelo porco servido’. A carne é deliciosa. Macia, tenra, vermelha, suculenta. Não encontrei nenhum nervo, nenhum pedaço que me deixasse menos entusiasmado com essa experiência. O único porém disso tudo talvez seja o preço, já que por R$ 58,10 o prato podia ser maior. Porque originalmente eles são individuais. Sorte que eu e a Na não estávamos com muita fome, então acabamos dividindo um, diminuindo consideravelmente a conta.

E se você acha que eu já ia parar por aqui, sinto dizer que ainda nem falei da batata. Ah, e que batata. Talvez seja um pouco radical, mas acho que comi a melhor batata da minha vida naquele restaurante. O sabor é sem igual, não como boa parte das batatas, sem graça e reféns de muitas e muitas pitadas de sal pra dar algum sabor. E pra melhorar ela vem junto de uma fatia (pequena, apenas pra constar) de presunto cru, que pela aparência parece ser feito de plástico, mas que no momento que você coloca na boca, todos os seus argumentos são inválidos. Pra que você tenha um parâmetro, boa parte dos pratos tem essa média de preço, e uma porção de unidades estão espalhadas por São Paulo. Fomos lá na Vila Mariana, dentro do Shopping Santa Cruz, e posso assegurar que não me arrependo. Nem um pouco.

barra-post-ela

Passamos! Estamos na semifinal da Copa no nosso país, algo que alguns afirmavam que não ia acontecer. Concordo com o Hulk quando ele disse que esse jogo pode ser uma final antecipada, até porque o time da Alemanha se mostrou o mais sólido. O primeiro jogo de Copa que eu lembro foi aquela final de 2002, o único jogo entre as seleções em Copa, e lembro também do nariz em pé do Oliver Kahn e sua cara de bunda depois do gol do Ronaldo. Provavelmente vai ser o jogo mais difícil do torneio, até mesmo que a final (se passar). O histórico entre as equipes é 100% favorável à pátria amada, nenhuma derrota em jogos oficiais e torço pra essa estatística continuar perfeita. OK, falei demais de futebol.

Carne de porco é basicamente o que os alemães comem. Joelho de porco, salcinhão e todas as outras partes, e eu particularmente, amo carne de porco. Eu e o Rapha fomos pegos de surpresa com as datas dos jogos e quase deixamos passar (Nota dele: não fala assim, vão achar que a gente é amador!).

Fomos ao Braugarten logo após a nossa classificação (a notícia que o Neymar estava fora abalou o meu jantar). O restaurante tem unidades em diferentes pontos da cidade, como o Shopping Santa Cruz, onde fomos, e também o Shopping Pátio Paulista. Achei o cardápio um pouco salgado (R$ 60 por prato) porém, não sei qual é a média da comida alemã.

O ambiente é decorado com as casinhas típicas e tem uma atmosfera super legal, que provavelmente lembre o país. Sentamos em uma mesa confortável, com sofá e fomos atendidos por um garçom em treinamento, que foi super gentil. Os pratos são individuais, mas como não estávamos com fome acabamos dividimos um.

Como o prato principal era joelho de porco frito, de acompanhamento escolhemos a batata rösti com presunto cru e arroz. E vamos dizer que TUDO é incrivelmente saboroso e mesmo com pouca fome eu queria comer mais! Carne de porco já é difícil errar, e lá eles acertaram bem o ponto, a batata Rosti é uma das melhores que já comi, salgadinha com o presunto que dá um toque ainda mais gostoso.

Se você tem curiosidade em provar e não sabe onde ir, dá uma passada lá. Porque apesar se ser típico alemão, você tem a opção de montar o prato como nós fizemos, com opções menos germânicas, por assim dizer.

140707-braugarten-servico

Anúncios

Gostou? Deixa aqui sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s